Liderança Situacional: uma gestão que conduz colaboradores à autonomia

6 de julho de 2020
Por  Iron English

O mundo contemporâneo opera transformações rápidas e inesperadas, exigindo do ser humano a habilidade de se adaptar constante e repentinamente. Essa exigência se projeta na vida como um todo, porém, na esfera profissional, a demanda é ainda mais notável.

Suscetível às mudanças, o mercado de trabalho precisa, cada vez mais, de profissionais capazes de se ajustar a circunstâncias variadas, as quais nem sempre são favoráveis. É necessário que essas pessoas, a fim de manter resultados consistentes, proponham soluções novas e saibam transitar entre situações diversas com autonomia.

Em 2020, isso tem se mostrado incontestável. Frente à crise provocada pelos desdobramentos do coronavírus, empresas precisam contornar as dificuldades, se adaptar às mudanças e se reinventar. Em um contexto assim, a Liderança Situacional aparece como resposta potente. 

 

O que é, afinal, a Liderança Situacional?

Modelo de gestão teorizado por Paul Hersey e Kenneth Blanchard, a Liderança Situacional prevê que cada contexto exige uma forma de liderar diferente. O gestor situacional é, então, um profissional flexível, que molda seu comportamento de acordo com a circunstância e, principalmente, que adapta sua liderança às necessidades dos seus colaboradores.

Isto é, o líder se reconhece como figura responsável por motivar sua equipe e, assim, levá-la a responder positivamente às demandas da empresa. Para fazer isso, estuda o perfil profissional de cada colaborador, considerando fatores tanto técnicos quanto emocionais, a partir do que traça uma liderança particularizada.

O objetivo principal é desenvolver, nos membros da equipe, espírito adaptável e autonomia profissional, de modo que eles se sintam amparados em suas necessidades e engajados no trabalho mesmo em momentos de crise.

 

O primeiro passo

Se você, gestor, está interessado em adotar a liderança situacional enquanto modelo de gestão, saiba que, em primeiro lugar, deve conhecer o grau de maturidade profissional de cada um de seus liderados. 

Essa maturidade está ligada tanto à soma das experiências e dos conhecimentos do colaborador quanto à capacidade que ele tem de assumir responsabilidade e conduzir seu trabalho com autonomia. 

Em um momento inicial, nem todos os membros de uma equipe possuem o mesmo grau de maturidade. Por isso, um estilo de liderança rígido tende a não dar conta da variação dos perfis profissionais. 

Você, enquanto líder situacional, deve basear seu comportamento gerencial justamente na flexibilidade. Tenha em mente que o nível de maturidade de cada um dos seus colaboradores pede que você use estratégias diferentes.

 

Os quatro estágios

Conhecendo o funcionamento da sua equipe, você poderá, então, entender em que posição de maturidade está cada profissional e determinar qual dos quatro estágios básicos da Liderança Situacional se mostra como estratégia mais adequada.

 

Os estágios são:

1º Direcionamento

Com pouca maturidade, o colaborador precisa aprender como executar uma dada tarefa e ser supervisionado até adquirir confiança. O líder, além de ensinar e instruir, acompanha o trabalho do liderado do início ao fim.

2º Orientação

No segundo estágio, o líder ainda supervisiona de perto, mas incentiva também o envolvimento do colaborador, escutando suas ideias e sugestões e fornecendo constantes feedbacks.

3º Apoio

Com colaboradores mais maduros, os quais têm segurança para executar suas tarefas, o estágio é tanto menos supervisionado quanto mais colaborativo. O líder investe no desenvolvimento da autonomia profissional de seus liderados.

4º Delegação

Os membros da equipe têm alto grau de maturidade e desempenham suas funções com maestria. O líder, portanto, delega tarefas com a certeza de que elas serão realizadas sem a necessidade de interferência ou supervisão.

 

Mas, enfim, por que adotar a Liderança Situacional?

O gestor que observa seus colaboradores e focaliza a liderança de modo a atender diferentes necessidades potencializa o desenvolvimento da equipe rumo à autonomia. 

Quando se atinge aquele último estágio citado, o da Delegação, estamos já lidando com profissionais maduros, os quais tendem à produtividade e, em geral, são capazes de reagir bem às mudanças, buscando novas soluções e se adaptando mesmo em contextos desafiadores. 

E é aí onde mora a potência da Liderança Situacional. No mercado atual, a grande demanda é justamente por profissionais flexíveis, os quais, na crise, rapidamente se reinventam e continuam satisfazendo as expectativas das empresas. O líder situacional atua, portanto, na formação desse perfil em seus colaboradores.

 

Uma boa parte das empresas ainda continuam operando no modelo home office, o que acaba sendo um grande desafio para líderes e gestores. O que você tem feito para tornar sua gestão mais eficiente? Nosso blog tem outros artigos que vão lhe ajudar a ter uma gestão de sucesso. Confira!

 

Newsletter

Inscreva-se para receber conteúdos exclusivos.